“Bancada governista na ALBA aprovou aumento de 11% na alíquota do ICMS da gasolina”, afirma Paulo Azi

Em dezembro de 2014, dias antes da posse do governador Rui Costa, a bancada governista na Assembleia Legislativa aprovou o aumento do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), incidente sobre a gasolina, de 27% para 30%, um acréscimo de 11% na alíquota, impactando diretamente no preço final praticado pelos postos.

A inflação de 2014 medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de 6,41%. O aumento da alíquota da gasolina na Bahia atingiu quase o dobro da inflação anual.

O deputado estadual Paulo Azi (DEM), que fez oposição aos dois governos Jaques Wagner, votou contra o projeto de lei.

Para ele, o aumento de 11% na alíquota do ICMS da gasolina penalizou os consumidores e impactou diretamente na elevação dos preços de produtos adquiridos pelas famílias baianas. “A bancada da situação na Assembleia Legislativa e muitos deputados federais governistas, que recentemente tentaram usar politicamente o movimento dos caminhoneiros, demonstraram possuir amnésia seletiva ao esquecerem o aumento abusivo da alíquota do ICMS da gasolina em dezembro de 2014”, afirmou o deputado federal Paulo Azi.

Ele lembrou que a bancada governista aprovou o projeto sem levar em consideração os argumentos dos oposicionistas quanto ao aumento da carga tributária para os consumidores baianos. “O deputado estadual Joseildo Ramos foi um dos que compactuou com o aumento escorchante da alíquota do ICMS da gasolina ao votar pela aprovação do projeto do executivo”, salientou Paulo Azi, acrescentando “que naquele momento a preocupação foi apenas com o caixa do governo e os consumidores até hoje pagam uma das maiores alíquotas do país”.

A nova alíquota de 30% passou a viger na Bahia em abril de 2015.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação do deputado federal Paulo Azi – Foto: Divulgação