‘Crime político foi esquecido’, diz mecânico que abrigou vítimas

Foi na manhã do dia 14 de maio de 1971, ao entrar no ônibus rumo ao trabalho, que o mecânico Sebastião Braz diz ter visto pela última vez o homem que conhecia apenas como Pedro, com quem havia ficado até tarde da noite anterior discutindo a situação política do país em sua casa.

O homem lhe fora apresentado cerca de dois anos antes por um taxista amigo chamado Pedro –daí o codinome– e passou a se abrigar em sua casa com frequência. Braz sabia que ele participava da luta armada contra a ditadura militar, mas essa era a única informação que tinha sobre sua vida.

“Acordei no horário do trabalho, ele acordou também, tomamos um cafezinho e descemos juntos até o ponto do ônibus”, conta ele. “Me lembro que, quando eu entrei no ônibus, eu dei tchau para ele e aquela foi a última vez que eu o vi.”

Braz diz ter descoberto apenas em 1979 que o verdadeiro nome de Pedro era Stuart Edgar Angel Jones, uma das 434 pessoas que perderam a vida ou desapareceram por perseguição política durante os governos militares no país, de acordo com o relatório final da Comissão Nacional da Verdade.

Ainda na manhã de 14 de maio de 1971, horas depois de se despedir de Braz, Stuart seria preso e levado à Base Aérea do Galeão, onde foi visto pela última vez.

Segundo as investigações, foi barbaramente torturado, em um dos episódios mais conhecidos da ditadura em virtude das denúncias feitas na época por sua mãe, a estilista Zuzu Angel, morta em 1976 e também listada pela comissão entre as vítimas da ditadura.

Memorando da CIA (agência de inteligência americana) divulgado no último dia 10 revela que a política de “execuções primárias” de adversários do regime militar já contabilizava oficialmente 104 vítimas no governo Emílio Médici (1969-1974) e viria a ser avalizada pessoalmente pelo seu sucessor, Ernesto Geisel (1974-1979).

O documento levou ex-integrantes da Comissão Nacional da Verdade a pedir audiência com a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, para solicitar a revisão da Lei da Anistia, e a criticar os Estados Unidos por falta de colaboração durante a apuração das mortes durante a ditadura.

Braz conta que se filiou à Juventude Comunista em 1953, levado por colegas de trabalho em uma fábrica de vidro, apenas nove dias após chegar ao Rio vindo do Piauí. Em 1964, dirigente sindical já filiado ao PCB, chegou a ser preso quando os militares fecharam os sindicatos.

Com a mulher Maria Alice Braz, falecida em 2012, afirma ter dado abrigo também para Carlos Lamarca, morto quatro meses depois de Stuart em operação militar no sertão da Bahia. Os dois eram integrantes do MR-8.

“Stuart chegou para mim um dia e falou assim: eu tenho um personagem que está em determinado lugar que precisa ser retirado hoje. Só que nós não sabemos o que fazer, está curto o prazo”, relata.

Braz morava em Cordovil, na zona norte de Rio, mas havia comprado um apartamento em Brás de Pina, também na zona norte, para onde planejava se mudar, e ofereceu o imóvel.

Segundo ele, por seis dias Lamarca ficou escondido no apartamento. Só se encontraram no dia de sua chegada. Assim como no caso de Stuart, diz que só veio a saber de quem se tratava depois, após a Anistia, ao assistir um programa de TV. Antes, o conhecia apenas como João.

O relatório final da Comissão Nacional da Verdade suspeita que as duas mortes estejam relacionadas: Stuart e outros militantes do MR-8 teriam sido capturados e torturados em busca de informações sobre Lamarca.

“No início de maio de 1971, o CISA [Centro de Informações da Aeronáutica] já sabia que Lamarca havia ido para o MR-8 e queria capturá-lo de qualquer maneira”, diz o texto, de 2014. Antes desse movimento, Lamarca era ligado à VPR (Vanguarda Popular Revolucionária).

Braz conta que não sabia detalhes das ações ou paradeiro de Stuart quando este deixava sua casa. “As questões que nós falávamos eram os acontecimentos gerais, mas da luta armada, dos encontros, por questões de segurança, não falávamos”, diz.

“Nós sabíamos do risco, mas nós achávamos que tínhamos a obrigação de fazer aquilo”, afirma. Na época, ele tinha quatro filhos –uma delas, Linda, também militante, morreu em 1981 em um acidente de carro, que o pai acredita ter sido planejado.

Ele e Maria Alice ajudaram a fundar o Grupo Tortura Nunca Mais, que participou do esforço de busca e reconhecimento de desaparecidos políticos.

Hoje com 85 anos, diz esperar que revelações do documento da CIA reabram o debate sobre a punição pelos crimes cometidos durante a ditadura.

“Aqui na América do Sul, este é um dos únicos países onde o crime político foi esquecido”, afirma. “Ficou tudo por isso mesmo.”

RELEMBRE OS CASOS

Carlos Lamarca

Liderou organizações de luta armada, como a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) e o MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro). Capitão do Exército, organizou o roubo de fuzis das forças armadas em 1969, quando entra na clandestinidade. Participando do treinamento de guerrilhas, se tornou um dos principais procurados pelo regime. Foi morto em 17 de setembro de 1971, aos 33 anos, numa operação que envolveu Exército, Marinha e Aeronáutica.

Stuart Angel

Filho da estilista Zuzu Angel e do americano Norman Angel Jones, desapareceu em 14 de maio de 1971, aos 26 anos. Foi um dos dirigentes das operações armadas do MR-8. A ditadura o acusou de participar do sequestro do embaixador norte-americano Charles Elbrick. Há relatos de que foi torturado até a morte para revelar a localização de Lamarca –​o que não fez.

 

Fonte: Folha de São Paulo