Esquerda quer ‘retrofit’ do PT para enfrentar Bolsonaro

As conversas de Flávio Dino (PC do B) com os petistas em torno da eleição presidencial de 2022 só vão prosperar para valer se uma das ideias do governador do Maranhão for analisada com carinho por Lula: a da “reciclagem da marca”, dizem envolvidos na negociação.

Em bom português, Dino está cada vez mais convencido de que a sigla PT tornou-se um estorvo no caminho da esquerda brasileira rumo ao centro e precisa ser substituída por um nome novo. É desse “retrofit” do petismo que nasceria a tal “frente” popular tão sonhada pelo governador.

Retrofit em engenharia designa o processo de modernização de algum equipamento ultrapassado ou fora de norma.

Por enquanto, Lula e o PT não querem nem ouvir falar na possibilidade. Ainda acreditam piamente que o partido é antítese natural a Jair Bolsonaro e querem apostar na polarização com o presidente.