Ex-prefeita de Catu, Gilcina Lago de Carvalho admite que foi sondada para compor chapa de José Ronaldo como candidata a vice-governadora

Ex-prefeita de Catu, Gilcina Lago de Carvalho, admitiu, em conversa com o editor do site Bahia Hoje News, na manhã desta quarta-feira (8), que foi sondada para compor a chapa de José Ronaldo como candidata a vice-governadora. A conversa aconteceu dois dias antes da convenção que oficializou a candidatura do ex-prefeito de Feira de Santana ao governo do estado. 

No encontro, realizado em Salvador, José Ronaldo reforçou o interesse em ter uma mulher na composição da chapa majoritária. Carlos Eduardo (Olodum), presidente do DEM de Catu, e os ex-vereadores Guto Góes e Carlos Luiz Nêgo participaram da conversa. 

Gilcina Lago de Carvalho agradeceu a lembrança de seu nome, mas expôs os empecilhos para se envolver na empreitada eleitoral: o cargo que ocupa atualmente na estrutura da Fundação José Carvalho (FJC) e as atribuições sob sua responsabilidade visando inaugurar o memorial em homenagem ao fundador da Ferbasa e instituidor da FJC em meados de 2019.

A ex-prefeita, que governou o município de Catu entre 2005 e 2012, disse ao editor do site que a sondagem a deixou feliz, mas na conversa com José Ronaldo desejou sorte para que o político encontrasse uma mulher que pudesse somar esforços por estar na chapa majoritária. “Desde que deixei a Prefeitura de Catu direcionei o foco de minhas atividades para a família, ações beneficentes e, mais recentemente, ao trabalho de construção do memorial de José Carvalho”, pontuou.

Gilcina Lago de Carvalho atuou na vice-presidência da Fundação José Carvalho por quase duas décadas. “A criação do memorial é um antigo sonho de pessoas que reconhecem o papel desempenhado pelo empresário e educador José Carvalho, que com sua obra educacional, abriu oportunidades para a formação intelectual e profissional de estudantes que não teriam condições de frequentar escolas privadas”, salientou. 

Gilcina Lago de Carvalho, natural de Catu, é pedagoga e por 30 anos foi casada com o empresário José Corgosinho de Carvalho Filho, fundador da Ferbasa e criador da Fundação José Carvalho, situada na localidade de Central, no município de Pojuca, e com unidades escolares em várias cidades da Bahia (Catu, Entre Rios, Andorinha, Pojuca, Mata de São João).

Em Campo Formoso, a Fundação José Carvalho construiu uma escola, denominada Gilcina Carvalho, com capacidade para atender 1.000 anos. A unidade escolar foi doada para a prefeitura. 

José Carvalho

Visionário, José Carvalho acreditava que a educação era um dos caminhos para transformar a realidade social da Bahia e do Brasil.

Em gesto pouco comum no segmento empresarial, José Carvalho passou o controle acionário da Ferbasa para a Fundação José Carvalho, que se tornou referência na formação educacional, intelectual e profissional de jovens oriundos de famílias humildes do interior da Bahia, de estados do Nordeste e outras regiões do Brasil. 

Muitos deles tiveram oportunidades de estudar nos Estados Unidos e na Europa, graças ao apoio da Fundação José Carvalho e ao relacionamento do empresário com importantes conglomerados industriais (Columbian Chemical e Henkel). 

José Carvalho foi reconhecido em vida por diversas instituições como filantropo e empresário dedicado à formação cidadã de alunos que estudaram no Colégio Técnico, criado em 1978, ano de ingresso da primeira turma do curso de Mineração. 

Durante muitos anos Gilcina Lago de Carvalho partilhou os ideais de seu esposo e na vice-presidência da Fundação José Carvalho colocou em prática ações no sentido de fortalecer e ampliar as atividades da instituição.

José Carvalho morreu em outubro de 2015. 

Prefeitura de Catu

Sem nunca ter disputado mandato eletivo, Gilcina Lago de Carvalho ganhou em 2004 a eleição para a Prefeitura de Catu.

Realizou mandato reconhecido pelos catuenses e em 2008 foi reeleita com votação muito superior àquela obtida quatro anos antes.

Os dois mandatos foram marcados por realizações importantes e, mais do isso, por um fato que revela o compromisso de sua trajetória política: absoluto respeito aos recursos públicos.

Em oito anos, nenhum escândalo, nenhuma denúncia consistente, nada que tenha desabonado sua passagem pelo executivo catuense.

Todas as oito contas da Prefeitura de Catu, entre 2005 e 2012, foram aprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM)

Seu nome foi lembrado para concorrer na eleição municipal de 2016. Ela, no entanto, optou por não disputar pela terceira vez o executivo catuense. 

Com grande antecipação, segmentos da sociedade catuense solicitam sua participação efetiva na disputa eleitoral de 2020.