Não queremos ser uma seita verde, diz vice de Marina Silva

Eduardo Jorge entrou na campanha de Marina Silva na “prorrogação”, como ele mesmo diz. Dois dias antes do lançamento da candidatura da ex-senadora, o ex-deputado e candidato ao Planalto em 2014 conseguiu unir seu partido, o PV, e a Rede.

O médico, vice na chapa, afirmou à Folha que a coligação mostrou capacidade de Marina de fazer composição.

Ex-petista, assim como a líder da Rede, ele critica o partido por seguir um oráculo —Lula, preso em Curitiba— e diz que a dependência do ex-presidente matou a democracia interna que havia na sigla.

O sr. defendia havia meses a aliança do PV com a Rede. Qual era o entrave?  Estou defendendo desde 2010, desde a separação. O partido já tinha fechado muitas alianças locais, nos estados, com PDT, PSB, PCdoB. A maioria da executiva queria a neutralidade na eleição presidencial.

O sr. foi contra a saída de Marina do PV e criticou a criação da Rede. Que avaliação faz hoje? Eu sempre fui crítico dessa separação. Não me conformo que o movimento ambientalista, que já não é muito poderoso, ainda se divida. A gente passou a disputar o mesmo nicho.

Me perguntam: você foi contra a Rede? Eu não! Eu fui contra a separação. E continuei lutando esse tempo todo pela reaproximação. E agora finalmente parece que vai começar de novo uma reaproximação.

Muitas pessoas dizem que o ambientalismo se diluiu dentro da Rede, em meio a bandeiras liberais, por exemplo. O sr. vê o partido de Marina como um verde?  Isso é ótimo. Nosso interesse é que a pauta se estenda para o lado socialista e para o liberal. Essa crítica que fazem à Rede e ao PV é equivocada. A gente não quer ser uma seita verde.

A Rede adotou algumas ideias liberais? Sim. PV também, no Brasil e no mundo. Você tem que aproveitar o que há de bom nas propostas liberais, conservadoras, socialistas, comunistas e juntar numa nova síntese. Seja socialista ou seja capitalista, mas seja ambientalista.

O que o sr. pensa que sua chegada agrega à candidatura? Trouxe uma recomposição do movimento ambientalista brasileiro.

Pessoalmente, o sr. traz também a experiência no campo da saúde e também certo carisma, não?  Isso vamos ver, né? Mas realmente eu tenho tradição em dialogar e aprovar projetos, o que é uma coisa rara na esquerda. Consegui participar de toda a construção legislativa do Sistema Único de Saúde.

Fui secretário de Saúde duas vezes em São Paulo e depois do Meio Ambiente. Uma pessoa que consegue trabalhar com pessoas tão diferentes, como a Luiza [Erundina], o [José] Serra, a Marta [Suplicy], o [Gilberto] Kassab, é uma coisa que eu acho que ajuda, né? Se isso traz algum voto, não sei, mas eu tenho experiência no Legislativo e no Executivo.

O sr. foi petista de 1980 a 2003. Como vê a dependência do PT em relação a Lula? Uma coisa que compartilho com a Marina é que na redemocratização brasileira os dois partidos mais importantes foram PSDB e PT. Apesar das coisas boas que fizeram, são igualmente responsáveis pela crise atual. Mas os erros que tiveram não querem dizer que não tenham salvação.

Minha avaliação é que o Lula congelou, sequestrou o PT. O PT chegou aonde chegou porque sua grande força foi a democracia interna. O partido tinha uma composição que acomodava desde os católicos mais à esquerda até os trotskitas mais delirantes [risos], como uma facção que acreditava que a revolução viria de Marte. 

À medida que o partido foi entrando nas divisões de poder, alcançando prefeituras, entrando em relações com grandes empresas e sindicatos, o poder econômico foi se enraizando e sombreando, diminuindo cada vez mais a democracia da base. Hoje quem manda são os caciques.

Lula virou um cacique? Ele é o cacique-mor. Isso está corroendo o principal patrimônio do partido, que era a democracia. É péssimo, é humilhante um partido que nasceu pela democracia, pela força da base, depender em tudo de um oráculo. Vão lá os sacerdotes Gleisi [Hoffmann], [Fernando] Haddad, consultar o oráculo. Aí saem de lá: “O oráculo falou isso, falou aquilo”.

A candidatura dele é uma imposição também?  Sim, porque morreu a democracia interna, ou quase morreu, não sei. Atrofiou-se ao ponto de ter hoje uma liderança desse tipo, uma liderança quase tipo um rei Sol. E isso é uma necessidade de manter o poder centralizado na mão de uma pessoa e de seus absolutamente confiáveis delegados. A necessidade de manter o controle da esquerda no Brasil, na América do Sul. Esse método é insustentável.

Marina também é criticada por um estilo supostamente centralizador na Rede. Todas essas grandes lideranças, que têm uma história extraordinária, como o Lula, a Marina, têm esse, vamos dizer, poder magnético de atrair seguidores, fiéis. Mas o que eu acho é que a Rede, pela característica de jovens, de rebeldes que ela tem, eu acho que talvez precisasse até de uma organização maior, tão livre, tão liberal é a convivência entre eles. A Marina dá certa unidade, mas eu vejo o pessoal da Rede como jovens bastante rebeldes, sadiamente rebeldes.

 

Fonte: Folha de São Paulo