Novo chefe do Inpe, coronel promete transparência total

Anunciado nesta segunda-feira, 5, como novo diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o coronel da Aeronáutica da reserva Darcton Policarpo Damião assume o cargo com a promessa de dar “transparência total” aos dados sobre desmatamento no País. Em entrevista exclusiva ao Estado, ele apontou “teoria da conspiração” quando se sugere que informações sobre áreas que sofrem desmate podem ser censuradas.

“Ninguém vai esconder nada, dado nenhum, até porque não se consegue fazer isso”, afirmou Damião à reportagem durante intervalo de uma aula a alunos do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), onde é professor. O militar vai substituir no cargo Ricardo Galvão, demitido na sexta-feira após rebater publicamente críticas do presidente Jair Bolsonaro à divulgação de dados que apontam o aumento do desmatamento na Amazônia. Damião, porém, prefere não entrar na polêmica. “Quero olhar para frente, não para trás, pensando no que é melhor para o Brasil.”

Segundo o novo chefe do Inpe, o órgão é “um fornecedor de informações valiosas”, mas pontua que “nenhum dado de imagem é absolutamente preciso”. Damião, de 57 anos, foi indicado ao cargo pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que conhece desde os tempos de academia, há mais de 30 anos. 

Embora de carreira militar, o coronel conhece bem a área. Tem mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Inpe e doutorado em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (UnB). Questionado se enviará os dados previamente para análise do presidente, como o próprio Bolsonaro sugeriu, disse ser direito das autoridades conhecer as informações para poder se defender de críticas. “É a questão do copo meio cheio, ou meio vazio”, disse ele. “Se tem uma notícia, não custa preparar. O importante é que o inimigo comum é o desmatamento.”

Sobre os problemas que poderá enfrentar na sua chegada ao órgão, depois da demissão de Galvão, o novo diretor disse que “o Inpe é um instituto de excelência”, “com cientistas de alto nível”. “Não podemos reduzir o trabalho a uma querela.”

 

Fonte: O Estado de São Paulo