Polícia retira mais de 400 corpos de casas e ruas na Bolívia em meio a alta de casos de Covid-19

A polícia boliviana retirou nos últimos cinco dias mais de 400 cadáveres de ruas e casas, 85% deles de pessoas consideradas infectadas com o novo coronavírus, anunciou nesta terça-feira (21) a Força Especial da Luta contra o Crime (Felcc).

Entre os dias 15 e 20 deste mês, a Felcc de Cochabamba reportou um total de 191 corpos retirados, enquanto La Paz teve 141, disse o diretor nacional do órgão, coronel Iván Rojas.

Além disso, Santa Cruz (leste), que concentra metade dos quase 61 mil infectados na Bolívia, reportou 68 resgates de cadáveres em cinco dias. Em Potosí (sudoeste) foram 11, e em Chuquisaca (sudeste), nove.

Oitenta e cinco por cento dos cadáveres recuperados são de pessoas que receberam diagnóstico da Covid-19 ou que apresentaram sintomas da doença —estas serão catalogadas como casos suspeitos, afirmou Rojas.

Os demais 15% “são casos de morte por outras causas, vale dizer, falecimento por alguma doença ou causa violenta”, acrescentou.

Segundo o departamento epidemiológico nacional, o coronavírus está em “uma escalada muito rápida” nas regiões de La Paz e Cochabamba, ambas no oeste da Bolívia.

O diretor do Instituto de Investigações Forenses, Andrés Flores, informou que entre 1º de abril e 19 de julho a entidade pública “realizou o reconhecimento médico legal extra-hospitalar de 3.016 cadáveres suspeitos e confirmados de serem portadores da Covid-19”.

O grosso desses reconhecimentos foi feito em Santa Cruz (1.338) e Cochabamba (1.023).

A presidente interina da Bolívia e candidata à Presidência nas próximas eleições, Jeanine Añez, anunciou no dia 9 de julho que havia recebido o diagnóstico de Covid-19. Ela afirmou que contraiu a doença por estar “trabalhando de perto com as famílias bolivianas desde o início da pandemia”.

Até hoje, a Bolívia, que tem 11 milhões de habitantes, registra mais de 64 mil infectados com o novo coronavírus e supera os 2.300 mortos.

 

Fonte: Folha de São Paulo