Prefeitura de Esplanada impede realização de pesquisa eleitoral

Na semana passada, a Prefeitura de Esplanada impediu que um instituto de Salvador realizasse pesquisa eleitoral no município, sem argumentos convincentes e com base no autoritarismo à la José Aldemir da Cruz, prefeito de fato, que governa por Francisco da Cruz, também conhecido como Franco de Aldemir.

Os pesquisadores do instituto cumpriram as normas determinadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Eles alegam que usavam máscaras, utilizavam álcool em gel e mantiverem distância dos entrevistados, mesmo assim foram vítimas de pressões, inclusive para ceder o questionário, por prepostos da administração municipal. 

Só quem deve ter acesso às perguntas contidas no questionário são os entrevistados, mesmo assim sem manipulá-lo. Ou seja, cada pergunta é apresentada na ordem de organização do questionário.

Há, no trabalho dos institutos de pesquisa, algo extremamente importante: confidencialidade.

A Prefeitura de Esplanada feriu o direito de ir e vir dos entrevistadores e queria quebrar a confidencialidade. 

Como a pesquisa não foi contratada pela prefeitura ou por alguém ligado aos atuais governantes, os entrevistadores foram obrigados a deixar o município sem fazer o trabalho. 

Um instituto contratado pelos atuais governantes esplanadenses teria o mesmo tratamento?

Mesmo em tempos de pandemia, pesquisas eleitorais vêm sendo realizadas em diversos municípios baianos, sem  maiores problemas ou pressões dos gestores dos executivos locais. 

No caso de Esplanada, foi Aldemir sendo Aldemir, ou seja, um prefeito fake com poderes de verdade, usurpados do prefeito de mentira, seu irmão Franco de Aldemir.