PSL traça estratégia para travar criação do partido de Bolsonaro

O PSL vai agir em diversas frentes para impedir que o partido que Jair Bolsonaro quer criar saia do papel antes de março de 2020, a tempo das eleições municipais.

A sigla deve expulsar e pedir o mandato de parlamentares que apoiarem a criação da nova legenda –e vai incentivar suplentes a fazerem o mesmo. Em outra ponta, o PSL deve montar força-tarefa para impugnar as assinaturas que forem apresentadas a cartórios eleitorais.

Aliados de Bolsonaro dão de ombros. O presidente vai impulsionar a divulgação da coleta de assinaturas para a nova agremiação nas próprias redes, e também vai estrelar vídeos institucionais no site do novo partido.

Os artífices da nova legenda dizem que as adesões de políticos vão ocorrer em duas etapas: prefeitos, governadores e senadores virão antes; deputados e vereadores só ingressarão quando o partido estiver pronto e registrada.

Se não conseguirem abocanhar boa parte do fundo partidário do PSL levando mais da metade da bancada da sigla para a nova legenda, os advogados de Bolsonaro vão pedir que a parcela da verba que caberia aos deputados que deixarem o partido seja devolvida aos cofres da União.

 

Fonte: Folha de São Paulo