PT, método e processo na eleição para a Prefeitura de Salvador – Maurílio Fontes

O diretório municipal do Partido dos Trabalhadores finge que a escolha da (o) candidata (o) da legenda à Prefeitura de Salvador passará por seu crivo, algo que não acontecerá se confirmado o nome da major Denice Santiago, retirado dos bolsos dos coletes de Wagner e Rui. 

Aparentemente, o velho método das prévias, colocado em prática quando foi conveniente, não está no roteiro dos dois líderes petistas e a definição, ao que tudo indica, terá ingredientes cartoriais, com encenações teatrais que roteirizarão a vinculação histórica da militar com o petismo. 

O nome se sobrepõe aos antigos processos internos que garantiram ao longo do tempo a participação da militância e um clima mais democrático entre as diversas correntes da legenda.

Ter método para a escolha dos elegíveis, mesmo que ele seja ruim, é melhor do que não possuir nenhum, sem regras que balizem as ações dos que pretendem disputar espaços na legenda.

O andar da carruagem petista na capital do estado é esclarecedor: finge-se haver método e processo, mas, na realidade, a cúpula, que não exerce funções no diretório municipal, tem o controle da decisão e já escolheu o nome para liderar a chapa majoritária. 

Maurílio Fontes é editor dos sites Alagoinhas Hoje e Bahia Hoje News, bacharel em Marketing, especialista em Marketing Político, Mídia, Comportamento Eleitoral e Opinião Pública (UCSAL) e estrategista de campanhas políticas