Regina anima Planalto para guerra na cultura

O Planalto e aliados de Jair Bolsonaro no Congresso viram no evento do presidente com artistas os primeiros sinais positivos da chegada de Regina Duarte ao governo. A partir de agora, acham que o “sim” da atriz ajudará a tirar do armário no setor cultural/artístico bolsonaristas ainda enrustidos ou “oprimidos por colegas de esquerda” (majoritários na categoria). Antes de aceitar o convite, a nova secretária especial da Cultura se reuniu, no Rio, com o humorista Dedé Santana, que ontem esteve no Palácio ao lado de Bolsonaro e junto com sertanejos.

Os opositores, claro, tentaram depreciar o evento de Bolsonaro com os artistas. Lembraram que os sertanejos, historicamente, são sempre os primeiros a manifestar apoio a presidentes e os primeiros a pular fora. Foi assim com Fernando Collor e até Lula.

Aliados dizem que o ministro Luiz Eduardo Ramos (da Secretaria de Governo, ao centro) foi o “padrinho do casamento” entre Bolsonaro e Regina Duarte.