São Paulo cria comitê de coronavírus e deve preparar leitos de hospital

O governo de São Paulo decidiu criar um comitê de contingenciamento para enfrentar a chegada do coronavírus. Ele será coordenado pelo infectologista David Uip e reunirá os maiores especialistas em doenças contagiosas do estado, como o infectologista Marcos Boulos, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o diretor do hospital Emílio Rivas, Luiz Carlos Pereira Junior.

O estado registrou na terça (25) o primeiro caso de coronavírus do Brasil. O paciente está internado no hospital Albert Einstein e foi contaminado na Itália, onde esteve em viagem a trabalho de 9 a 21 de fevereiro.

“Guerra é guerra”, diz Uip, que já foi contactado para assumir a função. Segundo ele, São Paulo está preparado para enfrentar o vírus. “O estado já passou por outras epidemias, como a do H1N1”, afirma o médico. Em 2009, foram registrados 1.900 casos na capital paulista e 9.000 em todo o estado.

Segundo ele, há planos de contingenciamento já elaborados para enfrentar a chegada do vírus. Eles precisam apenas ser atualizados e implementados.

Uma das primeiras providências deve ser isolar leitos de hospitais públicos e privados para receber eventuais pacientes infectados. Haverá também medidas de proteção a profissionais de saúde e estudos rigorosos sobre o fluxo de entrada de pacientes no sistema de atendimento e hospitalar.

Ele afirma que várias questões precisarão ser esclarecidas para a população –como a necessidade de uso de máscaras, por exemplo.

Elas precisam ser descartadas a cada período e cada pessoa teria que usar no mínimo três máscaras por dia. “Seriam 600 milhões de unidades por dia”, afirma Uip, notando que dificilmente as pessoas vão conseguir manter o uso das máscaras.