Se organizar direitinho, ninguém mais transa – Mariliz Pereira Jorge

Quando eu era mais nova, e solteira, seguia fielmente meu lema de vida na escolha de um peguete: não tenho tipo, tenho pressa. É diversão garantida ou o caminho da porta. É bagunça, sem cobrança, sem planejar o futuro, sem exigir que a pessoa tenha qualidades para que um encontro fortuito seja algo além disso.

Falta pouco para que as pessoas comecem a pedir que os “candidatos” desfiem o currículo completo, com as suas posições bem detalhadas sobre assuntos como privatização, desarmamento, política externa israelense, cotas na universidade, direito ao aborto, antes de partir para o corpo a corpo. Acabou xaveco, pegação e sacanagem sem passar por uma triagem. Nem beijo na boca vai rolar sem que as pessoas sejam aprovadas nesse Enem ideológico.

Há um consenso de que as pessoas transam menos hoje. A tecnologia tem sido apontada como um dos problemas. Muita gente deixou de sair de casa e vive feliz um relacionamento amoroso como o Netflix, o delivery e a falsa impressão de que tem vida social por meio de likes e comentários. Mas o que vai dizimar a população da terra é a política. Por causa dela tem quem negue beijo na boca e sexo quentinho e maroto. Se organizar direitinho, ninguém mais transa. 

Hoje, ao conhecer alguém, as perguntas quebra-gelo não giram em torno de trabalho, moradia, viagens, gosto musical. Para a conversa seguir adiante todo mundo quer saber em quem você votou nas últimas três eleições. Dependendo da resposta é bomba sem direito a recuperação. Posso apostar que 2/3 dos possíveis peguetes sejam eliminados na primeira peneira. Muita gente reclama que o mercado do amor está mais em baixa do que o preço das commodities. Então, meus amigos, flexibilidade nos investimentos. É só libertinagem e troca de fluídos, não é preciso fidelidade partidária, nem promessa de felicidade na democracia ou na ditadura.

Obviamente, há diferenças irreconciliáveis num relacionamento a longo prazo. Alguns temas definem com exatidão como alguém pensa o mundo. E se tem uma coisa que a política derruba é o ditado “os opostos se atraem”. Mas para namorar pelado só precisa ser limpinho, cheiroso, ter senso de humor e manjar bem dos paranauês do orgasmo. Condicionar xaveco, beijo na boca e sexo à ideologia política é gostar mais de política do que de xaveco, beijo na boca e de sexo. Adoro política, mas nem tanto.

Por outro lado, a vida está sempre aí para mostrar que tudo tem limite. Não há juventude, hormônios e tesão que resistam a gente alucinada. Outro dia, me parece um cara para defender que as escolas ensinem criacionismo. Ele acha que os estudantes precisam de outra versão da criação do mundo. Também acha que armar a população vai acabar com a criminalidade. Mas o que pegou mesmo foi quando ele quis mandar um mapa para provar que a terra é plana. Com um tipo desse quem é capaz de não broxar?

Mariliz Pereira Jorge – Jornalista e roteirista de TV
Fonte: Folha de São Paulo