‘Sou a liderança, mas não sou a dona da Rede’, diz Marina Silva

A pré-candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, não vê “incoerência nenhuma” em formar alianças que contradizem as orientações das coligações na campanha presidencial da sigla. Em seus discursos, a candidata critica o que chama de “velha política”, apesar de seu partido estar junto a legendas como DEM e PSC. 

“É aquele princípio que estabelecemos na Rede de que os estados têm autonomia”, afirmou. “Eu tenho que ser coerente com aquilo que eu defendo. Um partido que tenha a sua autonomia nos estados, que tenha as suas direções.” Nesta terça (31), Marina foi a segunda entrevistada do Central das Eleições, programa da Globo News.

Marina afirmou que está sendo criteriosa com suas alianças, mas que não é a única a tomar as decisões da legenda. “Eu não sou a dona da Rede. Sou a liderança, mas não sou a dona. Dou a minha opinião. Se sou ouvida, ótimo. E muitas vezes eu sou.”

Durante a entrevista, a pré-candidata confirmou que no Rio de Janeiro defendia a candidatura do deputado Miro Teixeira (Rede) a governador, mas ele preferiu fechar uma aliança com a chapa do pré-candidato Romário (Podemos-RJ) e disputar o Senado. “Eu respeito a decisão dele.”

Como revelado pela Folha, o acordo entre a Rede e o Podemos foi feito contrariando o desejo da presidenciável. Ela tem uma aproximação maior com o pré-candidato Rubem César (PPS), fundador da ONG Viva Rio, mas a candidatura do antropólogo perdeu força com as movimentações nacionais.