Todos os bispos chilenos pedem demissão por escândalo de pedofilia

Todos os bispos chilenos apresentaram nesta sexta-feira (18) em Roma um pedido de demissão coletiva de seus cargos em resposta ao escândalo de pedofilia que atinge a Igreja Católica no país.

O Vaticano não divulgou ainda se o papa Francisco aceitou o pedido. Ele pode confirmar a demissão, recusá-la ou decidir individualmente sobre cada um. 

“Nós colocamos nossa posição na mão do santo padre e cabe a ele decidir livremente sobre cada um de nós”, diz um comunicado assinado pelos 34 bispos do país —sendo 31 em atividade e três eméritos.   

Uma investigação do Vaticano, divulgada parcialmente nesta sexta, afirmou que a cúpula da igreja chilena é responsável por “graves erros” no modo como lidou com os casos de pedofilia. Por isso, os bispos já estavam em Roma para uma audiência convocada pelo papa Francisco sobre o caso.  

Eles são acusados de queimar documentos, ignorar denúncias e negligenciar vítimas, diz o documento de dez páginas, que teve parte de seu conteúdo divulgado pela imprensa chilena e depois confirmado pelo Vaticano. 

“Ninguém pode se eximir de culpa e colocar seu problema nos ombros de outros”, diz o documento, que foi escrito pelo próprio Francisco a partir de uma investigação de 2.300 páginas feita a pedido do Vaticano por dois especialistas no combate a crimes sexuais.   

“Os problemas dentro da comunidade católica não serão resolvidos apenas lidando com casos individuais e os reduzindo ao afastamento de pessoas, apesar disso —e vou deixar claro— também ser necessário”, escreveu o pontífice. “Mas não é suficiente, teremos que ir além. Seria irresponsável de nós não olharmos profundamente para nossas raízes e estruturas que permitiram que esses eventos ocorressem e se perpetuassem”.

 

Fonte: Folha de São Paulo