Turista com pacote para o Nordeste pode cancelá-lo sem multa, diz Procon

Turistas que vão para locais do Nordeste afetados pelo óleo podem negociar com as operadoras com as quais fecharam pacote para remarcar datas ou até cancelar a viagem, sem ter de pagar multa por isso. Esse é o entendimento do Procon paulista, que afirma que o consumidor não pode ser responsabilizado ou prejudicado por algo que não tem culpa.

Desde o início de setembro, houve registros da substância nos nove Estados do Nordeste – Maranhão, Sergipe, Bahia, Piauí, Rio Grande do Norte, Ceará, Pernambuco, Alagoas e Paraíba. O governo investiga a origem do poluente, e análises apontaram “DNA” venezuelano no tipo de óleo cru encontrado.

“O ônus não cabe ao consumidor porque a culpa não é dele. E, por mais que a culpa também não seja da empresa, é um risco do negócio”, diz a coordenadora de Atendimento do Procon-SP, Marcele Soares.

Para reforçar a postura do órgão, ela também cita o artigo 6º, inciso 1º do Código de Defesa do Consumidor (CDC) que garante, como direitos básicos do consumidor, “a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos”.

Como ainda não se sabe a origem do óleo, a preocupação com a segurança e saúde das pessoas é ainda maior.